sábado, 4 de agosto de 2012

Por um mundo em que sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.


Por Camila Castro
Executiva estadual da ANEL

No primeiro semestre deste ano as escadas do Centro de Ciências Humanas (CCH) foram objeto de uma intervenção muito criativa – seus degraus foram pintados com várias cores simbolizando um grande arco íris. E foi exatamente isso: em um dia estava tudo cinza e no outro surpreendentemente subíamos uma escada completamente colorida.
 Como era de se esperar muitos estudantes tiraram fotos e compartilharam nas redes sociais e como era de se esperar mais ainda, os LGBT’s* adoraram a intervenção. A verdade é que o arco-íris estava lá representando o que cada um quisesse que representasse. Não havia placas, assinaturas, descrição... nada. Era um arco-íris dando cor ao CCH que sempre recebeu as mais diversas intervenções em sua estrutura física.
Neste mês de agosto os estudantes da UFMA foram surpreendidos novamente. Destes, muitos por seus próprios olhos e outros pelas redes sociais: a escadaria do CCH foi pichada. Nos degraus coloridos foi escrita uma mensagem bíblica fazendo referência à aliança de Deus com os homens simbolizando o que seria o significado do arco-íris. Na legenda da autora da postagem no facebook dizia: “Arco Íris, simbolo da ALIANÇA DE DEUS com o homem... e não entre pessoas do mesmo sexo ! Abençoado seja a pessoa que teve coragem de escrever isso na escadaria da UFMA. TENHAMOS CORAGEM PARA PREGAR O EVANGELHO POR TODO O MUNDO não nos deixemos limitar e abalar com comentários (:”
Homofobia declarada. Além de revolta, acompanhamos muitas declarações de medo através do facebook. É preciso compreender que problema não se encontra em uma passagem bíblica ter sido escrita, mas na intencionalidade do feito. Com tantos muros brancos na ufma, a despeja se dá sobre o arco-íris que servia sim como símbolo da comunidade LGBT, mas podendo servir a todos os significados que se configuram a partir das próprias convicções das pessoas. Sem necessidade alguma de reafirmação de qualquer uma delas, a pichação incide sobre o trabalho difícil dos que se propuseram a pintar todos os degraus da escadaria e fortalece uma realidade que está colocada dentro e fora dos muros da universidade: intolerância à diversidade. A legenda e comentário da foto corroborando a mesma conclusão.
 Uma parte importante do processo de luta contra a homofobia é mostrar que ela existe. Para os LGBT’s a existência da homofobia não é novidade alguma, mas parte do cotidiano. No entanto as pessoas em geral tem dificuldade em identificar uma atitude homofóbica ou acham que homofobia se configura apenas quando há agressão física e morte, justamente porque no Brasil o ódio homofóbico mata centenas de pessoas por ano. Da mesma forma que é fácil ser contra o Bolsonaro, mas mais difícil perceber que muito se confunde liberdade de expressão com liberdade de opressão no nosso dia-a-dia.  
A ANEL nacionalmente encampa um sério combate ao machismo, racismo e homofobia. Não podemos admitir a reprodução destas ideologias opressoras dentro e fora da universidade que reforçam a inferiorização do outro a partir das diferenças, que são naturais e ricas! Temos acompanhado o total descaso dos governos com relação ao debate da diversidade sexual nas escolas e em relação a criminalização da homofobia. São governos comprometidos com os setores reacionários, conservadores e exploradores desta sociedade... E a pichação na escadaria do CCH é apenas ponta do iceberg da intolerância que conhecemos e vivenciamos nesta sociedade.
É preciso debater, construir espaços de reivindicação e intervenção cada vez mais frequentes. É preciso lutar sempre. É na luta que nos colocamos cada vez mais próximos dos objetivos que queremos alcançar. É preciso respeito e justamente por isso é preciso, cada vez mais, que pintemos escadas o máximo que pudermos. Pintemos a vida com o orgulho de sermos iguais na diferença, construindo no dia a dia “um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres”¹.
Abraço a tod@s.

*LGBT: Lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneros.
¹ Rosa Luxemburgo.

8 comentários:

  1. Interpretei o arco-íris como algo bonito, algo que coloriu o prédio, não como um manifesto LGBT. A pessoa que postou a foto no facebook tbm não foi a mesma que pichou, logo ela também interpretou como quis. Eu vi um arco-íris. Apenas. Eu vi como quis.
    No versículo não havia nada de agressivo, ofensivo, assim como na pintura tbm não havia nada que a caracterizasse como verdadeiramente LGBT. A menos, é claro, que a Bíblia seja ofensiva, o que não é o caso. Se para os homossexuais é símbolo da sua luta, para os cristãos é símbolo da aliança com Deus. Cada um vê como quer. Liberdade de expressão só para um dos lados? Parece incoerente. Se querem discutir o quanto o autor da obra está chateado por terem escrito no que ele pintou, isso sim é válido, também estaria chateada estivesse no lugar dele.
    Os homossexuais merecem respeito. Os cristãos também =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão é: - Por que estragar uma Obra de Arte com uma pichação?
      Ao meu ver é um caso claro de Fanatismo Religioso, no qual deve ser totalmente Repudiado!

      Excluir
    2. Sim, os cristãos merecem respeito.
      Mas o cara que se apropria de uma obra de Arte para impugnar sua própria visão do símbolo, transmutando o que era um símbolo de livre associação - que todos poderiam encarar como quisessem - em um símbolo exclusivamente cristão, forçadamente inserindo um contexto particular à obra, isso é diferente.
      A menos que o cristão que fez isso - por ser cristão - mereça algum tipo de categoria especial de respeito (dica: não merece), então sim, ele vandalizou uma obra de Arte, por fanatismo religioso.

      Excluir
  2. Gente todo mundo sabe que esta imagem faz parte das reformas que envolviam a ESTÉTICA do CCH ligada aos cursos das áreas de artes que existem por lá! Primeiro que isso nao é um arco íris e sim, uma ESCALA CROMÁTICA do PRISMA DE LUZ que representa o pessoal de artes visuais, assim como que por lá perto desta obra vc acaba encontrando os símbolos gráficos do pessoal do curso de música! Fico horrorisado com a falta de conhecimento e não pelo o que está escrito e sim pela ação de pichação a algo que para alguém deu muito trabalho imaginar e executar como obra visual em nossa universidade!

    ResponderExcluir
  3. ANEL enxergando com os "Óculos Mágicos do Preconceito" isso é triste, hoje tudo é homofobia...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Devido aos inúmeros comentários referentes a escadaria do CCH resolvi escrever este texto explicativo sobre o acontecido.
    Há muito tempo observo aquela escada e tinha vontade de deixar uma mensagem que retratava a minha visão sobre aquela arte. Foi então que em um dos dias da SBPC conseguiram uma tinta aerosol e imediatamente me lembrei de escrever.
    Gostaria de deixar bem claro que NÃO foi dito nada contra o grupo LGBT que tem por tema o mesmo símbolo da arte em questão, e muito menos um texto HOMOFÓBICO como foi citado em alguns tópicos desta polêmica (blog da ANEL) , pois se os leitores atentarem para a referencia bíblica em questão perceberão que não se trata de nenhum tipo de relação e muito menos de uma relação homossexual e sim do desfecho da criação do arco-íris por Deus como um sinal de aliança entre os seres viventes e o próprio Deus no livro de Gênesis 9:11 a 16 a seguir:
    “E eu convosco estabeleço a minha aliança, que não será mais destruída toda a carne pelas águas do dilúvio, e que não haverá mais dilúvio, para destruir a terra. E disse Deus: Este é o sinal da aliança que ponho entre mim e vós, e entre toda a alma vivente, que está convosco, por gerações eternas. O meu arco tenho posto nas nuvens; este será por sinal da aliança entre mim e a terra. E acontecerá que, quando eu trouxer nuvens sobre a terra, aparecerá o arco nas nuvens. Então me lembrarei da minha aliança, que está entre mim e vós, e entre toda a alma vivente de toda a carne; e as águas não se tornarão mais em dilúvio para destruir toda a carne. E estará o arco nas nuvens, e eu o verei, para me lembrar da aliança eterna entre Deus e toda a alma vivente de toda a carne, que está sobre a terra. E disse Deus a Noé: Este é o sinal da aliança que tenho estabelecido entre mim e entre toda a carne, que está sobre a terra.”

    Por ter a bíblia como manual de vida e tentar seguir todos os seus princípios, tomei por base o texto de Hebreus 12:14-16 que exprime exatamente o que tenho a dizer a seguir:
    Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem. E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura.
    ........................continua

    ResponderExcluir
  6. Lembrando que não foi como foi dito pela autora do artigo Camila Castro (que inclusive é minha ex-amiga de turma)“E a pichação na escadaria do CCH é apenas ponta do iceberg da intolerância que conhecemos e vivenciamos nesta sociedade. Linha 54 Mas sim o comentário posterior no facebook por uma pessoa que nem seguer conheço!!! Peço perdão pela pessoa que tomou a frase para expressar sua opinião sobre a minha opinião. Em contrapartida concordo com a sua aceitação “É preciso compreender que problema não se encontra em uma passagem bíblica ter sido escrita, mas na intencionalidade do feito”.linha 30 Peço perdão a Camila Castro pela má interpretação gerada (e que emita sua opinião posteriormente) e a todos os que tomaram ato como ofensa ou constrangimento, a todos os amantes da arte (qualquer que seja) por ter sido feita uma forma de expressão sobre a arte alheia. Também peço a todos os meus irmãos na fé pelo resultado final dessa história.
    Sendo um arco-íris, escala cromática ou o que quiser que seja... Sabemos que toda forma de expressão é válida, desde que não tome o espaço de outrem. Sendo que escrevi o texto sem maldade alguma e assim RECONHEÇO A MINHA FALHA e peço perdão principalmente a autora da pintura: Kádige do curso de Artes da UFMA não pela frase (pois entendo que não trouxe malefício a ninguém), mas por ter me expressado sobre a sua arte em vez de criar uma própria, sendo que tento contato com a mesma desde o dia do ocorrido, mas até então sem sucesso. Estou tentando tomar as providências e assim que possível (até o dia 15/08) repararei o feito para o devido fim de estar bem com todos os estudantes da UFMA.
    Obrigado a todas as pessoas educadas que leram o texto até o fim e mais ainda aos que me compreenderam e entenderam que sou assim como você: um ser humano passível de erros não por expressar-me (e nem por ter sido mal interpretado), mas por ter me expressado no local errado.
    Abraços fraternos...

    ResponderExcluir